Cozinha não é um lugar de certezas

Eu não acredito em precisão na cozinha. Aprendendo a cozinhar com a minha mãe, cresci usando as receitas mais como indicações do que como fórmulas a seguir. Faço panqueca no olho. Tempero o arroz com o nariz. Nem sempre acerto, mas tenho uma taxa de sucesso de 96%* que satisfaz. A única garantia é que…

Herança de família

Eu tenho uma relação boa com meu pai. Apesar de muitos atritos, no fim do dia, ele é uma pessoa que eu respeito e que eu faço questão de ter na minha vida, independente de laços sanguíneos. Tem muito amor na nossa relação. Muita comida também. Depois que eu saí de casa, a maior parte…

Sobre não cozinhar

Eu amo comer. E cozinhar é uma verdadeira oração. Mas eu faço mais do primeiro que do último. Por quê? Por que diabos eu cozinho tão se pouco se me faz tão bem? Por que eu não eu monto a cozinha do meu gosto? Por que eu não vou na feira sábado de manhã? Por…

Comida de vó

Comida de vó é praticamente uma instituição. Bolinho de chuva, macarronada, pão. Comida de vó é a melhor. Não tem igual. Quase todo mundo tem uma história de passar a tarde, o fim de semana, as férias na casa da vó e se acabar de comer as mais incríveis delícias. Quase. Eu não tenho. Ou…

+3 Resoluções Gastronômicas para o ano e para vida

Começamos 2017 com 10 resoluções gastronômicas para que a alimentação e a vida fosse mais saborosa. Como todo dia aprendemos e experimentamos novos, sabores, reúno aqui três novas intensões. 1. Não almoçar com gente indigesta Uma das minhas resoluções para este ano é comer menos sozinha. E tenho balanceado bem os momentos de alimentação solitária…

Como eu parei de comer no McDonald’s

Em abril de 2016, mais ou menos, eu decidir que ia parar de comer no McDonald’s. E parei. De lá para cá, não mordi nem uma batatinha. Não dei nem uma lambidinha numa casquinha de baunilha. Parei. O que mais se destaca para mim neste ano em que dispensei a praticidade de um Big Mac…

Beber no almoço, por que não?

Quarta-feira é dia de almoço alto astral na firma. Tradição nova. Começamos quando a Juliana Miyahara entrou para o time – ela é adepta das marmitas, um dia falo mais delas aqui, e nem sempre nós nos organizamos para levar comida de casa também. Antes dos animados almoços de quarta, todo dia era dia. Ou…

Tristeza, ansiedade e (falta de) apetite

Eu não sou de perder a fome. Mas acontece às vezes. Recentemente aconteceu. A ansiedade me pegou. Mordeu. Mastiga. Cuspiu. E depois me arrastou por aí como um chiclete velho grudado na sola do sapato. Às vezes eu fico semanas sem publicar nada aqui no Não Contém Glúteos. Acontece. A vida, a procrastinação, o trabalho,…

Minha mãe fazia, meu pai comia

Minha recente volta ao Jornalismo aconteceu de uma maneira deliciosa: escrevi sobre comida e afeto depois de entrevistar Ana Holanda, editora da revista Vida Simples e autora do livro Minha Mãe Fazia. Um livro que mistura crônicas e receitas, memórias e sabores. Li e apreciei aos poucos. Belisquei alguns textos. Devorei outros. Todos muito saborosos….

Comfort food: canja

Eu defino comfort food como comida que abraça. E nenhuma comia abraça melhor que canja. Canja é o abraço da minha mãe. Um sabor conhecido. Quente na medida. Tempero de casa. Cheiro de casa. Cara de comida de verdade. A dor não passa. Os problemas não vão embora. Mas uma colherada dessa sopa de galinha…