Digestão – a análise de uma experiência gastronômica

Estamos todos familiarizados com a frase “Dessa água não beberei”. Todos também já rimos muito do meme derivado dela.

Pois bem, estou aqui hoje me servindo de uma deliciosa taça de “críticas e resenhas gastronômicas”. Coisa que quem me conhece eu jurei até pouco tempo atrás de pé junto que jamais faria por achar que esse tipo de conteúdo não contribuía em nada para a experiência gastronômica das pessoas. Well, well, well… O jogo virou. Quanto mais eu tenho lido, mais eu tenho percebido que cada linha escrita sobre um restaurante, um prato, um chef é uma linha que exalta a importância da comida, compartilha a percepção de alguém que tem a comida com centro de seu universo particular.

E eu quero compartilhar minhas experiências, estimular o papo sobre comida, indicar lugares bacanas para os meus amigos, e celebrar o trabalho de quem despeja a alma num prato. Por isso, estou dando esse golão.

Mas antes de começar, vamos alinhar expectativas sobre essa editoria – Digestão. Vou explicar como as coisas vão funcionar por aqui:

  1. Deixar assentar
    Como sabemos, a digestão começa na boca, mas é apenas depois de um percurso fascinante por estômago e intestino que podemos dizer que ela está concluída. Por isso, teremos comentários quentes sobre a experiência, feitos durante a própria refeição, mas o texto só será publicado depois de pelo menos 24 horas, quando a comida e as emoções assentaram.
  2. Só coisa boa
    Vocês conhecem o JB? O cara é bom, o cara é muito bom. Ele tem um jeito com as palavras que eu admiro demais. Recomendo fortemente a leitura do Edifício Tristeza. Mas não esperem encontrar textos como o pague para entrar, reze para sair aqui. Eu sou uma pupila do Austin Kleon e tenho me esforçado em adotar a política do “Não era para mim” quando me perguntam sobre algo que eu não gostei.Se a experiência não tiver sido boa, nem vou publicar aqui. Mas prometo fazer um compilado de Não era para mim, mas pode ser para você.
  3. Comeu, pagou
    Todas as refeições analisadas aqui serão pagas com meu suado dinheiro. Excessões para lanchos pagos por amigos, familiares e o mozão.

Para começar com um aperitivo, convido todos a lerem Comendo no Balcão, uma pequena declaração de afeto que brotou de mim depois de um almoço no Conceição Discos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.